segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Mas o próprio Jesus não confiava neles, porque conhecia a todos, e não precisava que alguém lhe desse testemunho do homem; pois ele mesmo conhecia o que havia no homem. João 2:24-25.

image

É triste tomar conhecimento de que não somos confiáveis nem para Jesus Cristo. Ainda que para mim não seja uma surpresa! Basta analisarmos as tristes histórias da humanidade cheias de atos de traições e intrigas, corvadias tanto que atingiu até o próprio Jesus, que veremos que é a mas pura verdade.

Hoje estava tentando explicar a uma pessoa que o ditado: Faça a sua parte que Deus te ajuda. Não é um versículo e nem tão pouco está na Bíblia. É apenas mais uma das muitas confusões que fazem por não a terem lido. E vocês não têm ideia de que somente por isso, como fica difícil ajuda-las há “desacreditem” nestes supostos versículos que são recitados como demonstração de “profunda” fé.

Lendo no livro de João vi que a questão do acreditar, ainda que seja por um motivo autêntico não habilita a ninguém testemunhar o conhecimento das coisas de Deus. Tanto que o próprio Jesus Cristo não dava importância para estes “crentes instantâneos” Estando ele em Jerusalém na festa da páscoa, muitos, vendo os milagres que ele fazia, creram no seu nome; João 2:23. E nos 24 e 25 acima fica bem claro por que!

Infelizmente por causa da nossa natureza pecadora não é possível levar em conta apenas a palavra ou testemunho como garantia de que uma pessoa que alega ter aceitado a Jesus Cristo realmente tenha se convertido.

Ontem mesmo falei sobre a necessidade da mudança de mentalidade em relação às coisas do mundo e a vontade de Deus. E a cada dia vejo o porquê de que sem que haja esta mudança como qualquer pessoa é facilmente envolvida pelos muitos equívocos que são difundidos por ai. Chega ser impressionante a facilidade com que as pessoas são levadas a crerem em toda a sorte de ensinamentos passados e repassados por homens e ao mesmo tempo são tão resistentes a crerem nas verdades Bíblicas.

Vejo como total falta de argumento inteligente a eterna desculpa dos que alegam não acreditar nas Escrituras Sagradas por que foram escritas por homens. Mesmo que tente entender a explicação para esta alegação já que vem de pessoas que acham que os primatas são seus parentes mais próximos. Pois, seria uma desconfiança natural entre espécies diferentes. Ridículo!

Hoje comecei a ler um livro de Charles H. Spurgeon (1834-1892), inglês, se converteu aos 15 anos. Pregou pela primeira vez com 17 anos. Aos 19 anos já era pastor na Park Street Chapel, em Londres. Era um devorador de livros e se tornou conhecido como o “príncipe dos pregadores”. O nome do livro em questão é: Tudo de Graça. E logo no inicio me deparei com este texto que gostaria de compartilhar com vocês:

“Não rejeite ao Senhor, o qual bate à sua porta, pois ele bate com a mão que foi pregada na cruz por pessoas como eu e você. Uma vez que único objetivo de Jesus é o seu bem, incline seu ouvido e permita que a boa palavra penetre sua alma. Poderá ser que tenha chegado a hora de você adentrar uma nova vida que seja o início do céu. A fé vem pelo ouvir, e ler é uma forma de ouvir: a fé talvez tenha chegado até você na leitura deste livro. Por que não? Oh! Espírito de Deus torna isso possível!”

Será que alguém pode acusar um homem como este de ter sofrido lavagem cerebral? Ou são incapazes de perceber que ele mesmo dá a resposta para nossa incapacidade de compreender o amor de Jesus. Mostrando que mesmo hoje após ter se passado mais de 2000 anos Ele ainda insiste em bater a porta de todos esperando que aceitem o seu convite: Eis aí estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa, e cearei com ele, e ele comigo. Apocalipse 3:20.

Jesus é um cavalheiro! Ele nunca irá arrombar a porta do seu coração e entrar sem ser convidado. Contudo a grandeza do seu amor por vocês que estão lendo este blog é tão intensa que o seu sangue ainda clama para que ouçam e deixe que o Espirito de Deus lhe mostre a verdadeiro poder da Graça: Quanto mais o sangue de Cristo que pelo Espírito eterno se ofereceu sem defeito a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas para servirmos ao Deus vivo? Hebreus 9:14.

Vocês podem até achar que as mensagens estejam se contradizendo. Achando que Jesus não pode ao mesmo tempo em que conhece a falsidade do coração de uma pessoa. Também venha ama-la a ponto de ter morrido por ela? Seria estranho se viesse de um homem qualquer. Mas, se tratado de Jesus não há nenhuma contradição! E ai reside toda a diferença do verdadeiro amor e da graça de Deus.

Mesmo assim vou usar mais um trecho do livro: Tudo de Graça de Charles H. Spugeon para que vocês entendam o quão maravilhoso é o nosso Deus.

“O Deus que justifica o ímpio.

Sua mensagem é para você. Você achará o texto da mensagem na Epístola aos Romanos, no quarto capítulo, versículo quinto:

“Ao que não trabalha, porém crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é atribuída como justiça.”

Chamo sua atenção à palavras: “naquele que justifica o ímpio”. Tais palavras soam maravilhosas aos meus ouvidos.

Você não se surpreende ao ler uma expressão como essa, na Bíblia: O Deus que justifica o ímpio?

Tenho ouvido que o homem que odeia as doutrinas da cruz se utiliza delas para levantar acusação contra o próprio Deus, o mesmo que salva o ímpio e recebe para si mesmo o mais vil dos pecadores. Veja como a Escritura recebe tal acusação e como declara sua resposta. Por boca de seu servo, Paulo, por meio da inspiração do Espírito Santo, Deus toma o título de “Aquele que justifica o ímpio”. Ele faz justo, os injustos, perdoa aqueles que merecem ser punidos e favorece aos que não merecem favor. Você pensava que a salvação seria para os bons, não pensava? Que a graça de Deus fosse para os puros e santos, para os que estivessem livres de pecado? Deve ter passado pela sua cabeça que, se você fosse excelente, então, Deus o recompensaria; e isso deve ter causado outro pensamento: você não seria tão bom e, portanto, não seria digno da salvação; não haveria meio de usufruir o favor de Deus.

Você deve ter se surpreendido ao ler este texto: “Aquele que justifica o ímpio”. Não me admira que você o faça, pois, com toda minha familiaridade com a imensa graça de Deus, não deixo de me surpreender diante dela. Não é realmente notável que seja possível que um Deus santo justifique um ímpio? Nós, segundo o legalismo de nosso coração, estamos sempre trazendo à baila nossa própria bondade e valor. Teimosamente, apegamo-nos àquilo que julgamos ser necessário para conquistar a atenção de Deus. No entanto, Deus, que vê através de todos os enganos, sabe que em nós não há nenhuma bondade. Ele diz que “Não há justo, nem um sequer” [Romanos 3.10]. Ele sabe que “todas as nossas justiças [são] como trapo da imundícia”. Portanto, o Senhor Jesus Cristo não veio ao mundo em busca de bondade e justiça, mas para trazer tais virtudes sobre pessoas que não têm nenhum traço de bondade e justiça. Ele veio, não porque fôssemos justos, mas para fazer-nos justos; ele justifica o ímpio.

Ao entrar num tribunal para defender alguém, um advogado honesto deveria desejar o livramento de todas as acusações que pesassem sobre seu cliente. Seu objetivo deveria ser o de alegar a inocência do justo e defender o culpado. O que não cabe ao homem, entretanto, nem está em seu poder, é realmente justificar o culpado. Tal milagre é reservado somente para o Senhor. Deus, o soberano e infinitamente justo, sabe que não há homem sobre a terra que sempre faça o bem e que não peque. Assim, na infinita soberania de sua natureza divina e no esplendor de seu amor indizível, ele assume a tarefa de justificar o injusto. Deus executa seus planos e meios para fazer a pessoa injusta ser aceitável em sua presença. Deus montou um sistema de perfeita justiça para tratar com o culpado como se ele fosse livre de qualquer ofensa, sim, como se fosse livre de pecado. “Deus justifica o ímpio.”

Imaginar que este texto foi escrito talvez a partir do ano 1853 quando ele tinha 19 anos e que ainda hoje tenhamos as mesmas duvidas e inconstâncias em relação a compreensão da profundidade do amor de Jesus, principalmente por que ainda relutamos em aceitar que tudo que Ele fez foi pela Graça e está a nossa disposição apenas por aceitar o seu convite! - Nós não recebemos o espírito do mundo, mas sim o espírito que vem de Deus, para que saibamos as coisas que por Deus nos foram dadas gratuitamente; 1 Coríntios 2:12.

Creiam na única verdade que Liberta Cura e Salva! Creiam somente em Jesus Cristo.

Amém.

image

Um comentário:

  1. Puxa, Amem Amado, jamais tinha lido uma compreensão tão grande como este artigo, que seja util a outros cristão que vivem em duvidas na alma...Deus o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo te ilumine.

    ResponderExcluir

Usem este espaço para testemunhar como este Blog mudou sua forma de relacionar-se com Jesus Cristo.