sexta-feira, 18 de maio de 2012

Homens apaixonados por Deus.

 

Já que não estou podendo ainda voltar a postar diariamente, veio ao meu coração o desejo de apresenta-los aos nossos irmãos em Cristo que verdadeiramente deram a suas vidas para que o evangelho chegasse até nós Crentes em Jesus Cristo. Portanto a cada oportunidade que tiver estarei colocando textos que falam desses homens que serviram a Deus de forma incontestável e que infelizmente a maioria dos crentes de hoje não conhecem.

John Wesley, uma vida longa em poucas palavras.

John Wesley, uma vida longa em poucas palavras

A vida de um homem que com sua paixão por Deus mexeu com a vida espiritual dos ingleses e com a estrutura social de seu país.

Por Christian History & Biography

John Wesley nasceu em 1703 e sua infância foi fortemente influenciada por sua mãe, uma mulher rígida e piedosa. Seu pai era um homem difícil de se agradar. Sua mãe acreditava que os desejos das crianças deviam ser subjugados e que eles deveriam ser disciplinados quando não se comportassem. John era o décimo quarto filho. Ele teria morrido em um incêndio em Epworth Rectory se não tivesse sido arrancado das chamas por um vizinho. Na época tinha sete anos e depois disso sua mãe o lembrou várias vezes que ele era “um tição colhido do fogo”. Mais tarde ele teve a certeza de que tinha sido poupado por um propósito, servir a Deus.
Samuel, o pai de John, era um erudito, que por muitos anos trabalhou em uma obra monumental sobre o livro de Jó. Um pregador severo, para não dizer implacável, uma vez exigiu que uma adúltera andasse nas ruas em sua vergonha. Ele também forçou o casamento de uma de suas filhas depois que ela tentou fugir com um homem que não era o escolhido de seu pai. Com seu pai e sua mãe, John Wesley desenvolveu excelentes hábitos de estudo e também se acostumou com o sofrimento físico.

John Wesley foi para Charterhouse School em 1714, para Christ Church College, em 1720, e em 1726 foi eleito membro na Lincoln College em Oxford. Depois de ser pastor auxiliar em Wroote, Lincolnshire, de 1727 a 1729, ele voltou à Oxford não apenas para continuar seus estudos, mas também para começar a viver uma vida mais devota e santa. Muitos outros jovens brilhantes tinham um curriculum como o de Wesley, mas poucos tinham a sua dedicação. Ele dominava pelo menos sete idiomas e desenvolveu uma visão verdadeiramente abrangente em todas as áreas da investigação. Quando ele voltou de Wroote para Oxford, ele assumiu a liderança de um grupo chamado Holy Club (Clube Santo), iniciado por seu irmão Charles. Lá era onde eles reforçavam a fé através do estudo das Escrituras e buscavam a santidade na vida de cada membro.

O Clube Santo fazia muito mais do que refletir e orar. Eles iam às prisões levar a palavra de salvação aos prisioneiros. Embora eles fossem ridicularizados por seus companheiros de Oxford, de seu grupo de uma classe social mais baixa saíram homens que se tornaram importantes para aquele tempo, particularmente os irmãos Wesley, além de George Whitefield. O modo de vida de John Wesley exigia jejuns periódicos, encontros regulares para estudo e auto-avaliação pessoal. Somente muito tempo depois foi que ele percebeu que seu grupo seguia mais a letra do que o espírito do cristianismo.

Em 1735 grandes mudanças atingiram John e Charles Wesley. O seu pai morreu e ambos foram para a colônia da Georgia, nos Estados Unidos, com a bênção e encorajamento de sua mãe. Lá foi uma prova para John, que entendeu que realmente não gostava muito dos índios e sua rigidez não era muito apreciada pelas pessoas da Georgia. Mas importante que isto, foi o contato de John na sua viagem com um pequeno grupo de morávios. Estes homens e mulheres destemidamente cantavam hinos durante terríveis tempestades no mar, ao mesmo tempo em que o próprio Charles se desesperava. Isso o fez querer conhecer mais sobre a fé que eles demonstravam ter. Em 1737 ele retornou à Inglaterra.

Devemos apreciar a humildade de John Wesley, pois ele podia ser crítico o bastante consigo mesmo para parar suas atividades religiosas naquele momento e pensar que era um ministro experiente demais para examinar sua falta de fé. Peter Boehler, um morávio, deu-lhe a chave – pregar a fé até que ele a tivesse, e então ele pregava a fé. John Wesley lutou com sua falta de fé até 24 de maio, uma quarta-feira, em 1738, no famoso encontro de Aldersgate, foi quando ele teve uma conversão, uma profunda e inconfundível experiência de fé. Seu “coração foi estranhamente aquecido”. Então seu verdadeiro trabalho começou.

Como tinha uma mente brilhante e aberta, John Wesley ainda conseguia retirar os melhores recursos das melhores mentes do seu tempo. William Law, por exemplo, foi seu professor, amigo e mentor por vários anos; mas Wesley achou que um ingrediente importante estava faltando no programa de Law para uma vida devota. Os discípulos de Platão conseguiram comunicar a Wesley uma estrutura intelectual que era mais espiritual do que material, mas os hábitos mentais de Wesley estavam moldados mais pelo modelo de análise de Newton do que pelo platonismo. Os morávios eram o mais perto de uma síntese de todos os elementos que ele desejava e pôde encontrar. Ele até mesmo visitou Herrnhut para saber como sua comunidade trabalhava. Mas algo estava faltando lá, como em todo lugar, e em 1740, ele e seus seguidores romperam com os morávios, mas não antes que ele tivesse aprendido a pregar sermões ao ar livre, o que veio a ser mais tarde uma parte essencial de seu ministério.

John Wesley tinha 37 anos de idade quando começou a viajar e pregar. Ele frequentemente exagerava o número daqueles que vinham ouvi-lo. Muitas vezes, as mesmas pessoas que precisaram de sua ajuda eram as mesmas que mais o perseguiam. Ele pregava em púlpitos até que eles fossem fechados para ele, e ele então pregava nos campos abertos. Ele pregava três vezes por dia, começando às 5 da manhã, uma vez que os trabalhadores poderiam parar para ouvi-lo enquanto andavam para o trabalho.

Algumas vezes ele andava 60 milhas (mais de 90 quilômetros) por dia a cavalo. As condições do tempo não importavam; ele fazia seu programa e o cumpria, não importavam as dificuldades. Ele fugia de uma multidão zangada pulando num lago gelado, nadava para fora dele e continuava a pregar novamente. E tinha uma certa habilidade de trazer as pessoas hostis para o seu lado.

Em 1741 foi para Gales do Sul, para o norte da Inglaterra em 1742, Irlanda em 1747, e Escócia em 1751. No total, foi à Irlanda quarenta e duas vezes e à Escócia vinte e duas vezes. Ele retornou à algumas cidades várias vezes. Houve ocasiões em que ele retornava anos depois de sua última visita e registrava que a pequena sociedade que ele ajudara ainda estava intacta e fiel. Ele examinava cada membro de cada sociedade pessoalmente para buscar crescimento espiritual e de fé. As sociedades então formadas proviam a organização local para seu movimento.

O que Wesley pregava? Santidade, honestidade, salvação, boas relações familiares, vários outros temas, mas acima de tudo a fé em Cristo. Ele não pedia aos seus ouvintes para deixarem suas igrejas, mas para continuarem indo nelas. Ele lhes deu o refrigério espiritual que eles não achavam. Quando suas décadas de provação produziram décadas de triunfo, as multidões aumentaram. Ricos e pobres vinham para ouvi-lo falar. Ele desenvolveu redes de assistentes leigos. Suas exortações para viver perfeitamente em amor hoje parecem duras, mas considere os efeitos em suas congregações. Os xingamentos nas fábricas pararam, os homens e as mulheres começaram a se preocupar com vestimentas limpas e simples, extravagâncias como chá caro e vícios como o gim foram deixados por seus seguidores, vizinhos deram um ao outro ajuda mútua através das sociedades.

Wesley ensinou tanto pelo exemplo como pelos seus sermões. Ele publicou muitos de seus textos para serem usados em devocionais e direcionou o lucro para projetos, como um local de ajuda para os pobres. Sua vida pessoal estava além de reprovação. Ele traduziu hinos, interpretou as Escrituras, escreveu centenas de cartas, discípulou centenas de homens e mulheres e manteve em seus diários um registro da energia investida, que dificilmente tem um rival na história ocidental. Sua maneira de falar na linguagem do homem comum teve um impacto imensurável no surgimento do inglês moderno, assim como os hinos de Charles Wesley tiveram um grande impacto na música com suas muitas canções sem mencionar a poesia da subsequente era Romântica.

Mas o impacto dos Wesley nas classes mais baixas foi além de afetar seus hábitos de vida e modo de falar. John Wesley proveu uma estrutura religiosa que era local e pessoal, bem como fortemente moral. Sua teologia não tirava a liberdade e o direito de ninguém, pois qualquer um podia achar a graça de Deus para resistir ao diabo e ser salvo, se tão somente buscasse e recebesse. As sociedades que ele formou preservaram em seus estudos o foco na fé – uma fé que também levou a uma maneira de lidar com a realidade da vida das classes mais pobres. A religião não era só para os ricos, mas Wesley também não estava pregando uma revolta contra o anglicanismo.

O anglicanismo de John Wesley era muito forte, embora os púlpitos anglicanos tornassem-se totalmente fechados para ele. Só quando tinha oitenta e um anos ele permitiu uma pequena divisão entre seus seguidores e a igreja nacional. Tendo já enviado muitos homens à América, em 1784 ele ordenou mais pessoas para este esforço missionário e, porque “ordenação é separação”, efetivamente começou uma nova igreja. O conservadorismo dele era tanto político como religioso. Ele publicou uma carta aberta às colônias americanas, aconselhando-as a permanecerem leais à Grã-Bretanha, logo antes da Revolução Americana. Ele não tolerava nenhuma conversa sobre agitação civil na Inglaterra.

Muito se tem discutido acerca de que outras forças estavam trabalhando na Inglaterra além de Wesley e uns outros poucos pregadores. Por exemplo, a Revolução Industrial que estava vindo progrediu mais rápido na Inglaterra do que em qualquer outro lugar, dando aos homens novos tipos de trabalho; a justiça do Sistema de Paz e o sistema de governo com um Primeiro-Ministro eram únicos na sua forma e deram muito mais poder do que era possível em qualquer outro lugar à classe média local e os grandes problemas que poderiam de outra forma causar revolução, simplesmente não estavam presentes na Inglaterra depois de 1750. Ainda assim sem Wesley e seus seguidores como poderia o ateísmo, tal como existia entre os camponeses franceses, ser evitado e como poderia uma classe inferior oprimida e dominada pelos vícios, ter esperança?

John Wesley morreu em 2 de março de 1791, cerca de três anos depois que seu irmão Charles morreu. Até seus últimos anos, ele colocou a mesma frase de abertura em seu diário, como fazia a cada ano no seu aniversário, agradecendo a Deus por sua longa vida e sua contínua boa saúde, afirmando que sermões pregados de manhã logo cedo e muita atividade ao ar livre o mantiveram em forma para a obra de Deus. Desde o momento em que ele tornou-se livre de influências, exceto a de Deus, ele teve cinqüenta anos de serviço constante e fez um bem imensurável à Inglaterra através da perseverança, resistência e fé. Seu legado não se limitou ao seu século ou país, mas sobrevive até hoje na fé de milhões em várias igrejas ao redor do mundo.

A seguinte frase foi escrita em seu diário em 28 de junho de 1774:
Sendo hoje meu aniversário, o primeiro dia do septuagésimo segundo ano, eu estava pensando como posso ter a mesma força que tinha trinta anos atrás? Que a minha visão esteja consideravelmente melhor agora e meus nervos mais firmes do que eram antes? Que eu não tenha nenhuma enfermidade da velhice, e não tenha mais aquelas que tive na juventude? A grande causa é, o bom prazer de Deus, que faz o que lhe agrada. Os meios principais são: meu constante levantar às quatro da madrugada, por cerca de cinquenta anos; o fato de geralmente pregar às cinco da manhã, um dos exercícios mais saudáveis do mundo; o fato de que nunca viajo menos, por mar ou terra, do que 4500 milhas (mais de 6.750 km) por ano.

Copyright © 2011 por Christianity Today International

 

E disse-lhes: "Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas. Mc 16:15.

Amém.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Comunicado aos seguidores (as) do Blog: msenaidepregar.

 

 

image

Enquanto estou ausente deixo a agenda acima com alguns endereços e números de emergência no caso de precisarem.

 

Queridos (as) Seguidores (as) e leitores ocasionais:

Tendo em vista necessidades de cunho particular que necessita de minha total atenção estarei sendo obrigado a suspender temporariamente a publicação diária das postagens.

Creio com fé em Jesus Cristo e na misericórdia de Deus que não ira ser prolongar muito esta ausência. Porém espero contar com a compreensão de todos e também o pedido de que orem para que o Espirito Santo de Deus possa continuar a colocar nos corações de todos os que já haviam se habituado em se alimentar espiritualmente deste blog a mesma “fome” de conhecimento, sendo que na própria palavra de Deus.

Peço em nome de Jesus Cristo que não deixem de buscar na leitura da palavra: A Bíblia, a verdade que somente ela oferece.

Espero o mas breve possível estar de volta. Aproveito para deixar uns links interessantes onde eu mesmo busco alimentar-me também:

http://www.vemver.tv/

http://www.desiringgod.org/

http://www.despertai.org

Que Deus abençoe a todos em nome de Jesus Cristo

Até mais! Se Deus quiser.

Pois é meu dever pregar a todos, tanto aos civilizados como aos não-civilizados, tanto aos instruídos como aos sem instrução. Rm 1:14.

E lembrem-se:

image

 

Amém.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Porque a vontade de meu Pai é que todo o que olhar para o Filho e nele crer tenha a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia". Jo 6:40

image

Salva-nos de nós mesmos! Pois não sabemos nem o que queremos.

Será que as pessoas que procuram Jesus Cristo estão procurando-o pelos verdadeiros motivos? Ou melhor! Será que continuariam a busca-lo se tudo que houvesse para ser-lhes dado estiver programado para ultimo dia? Por isso que não é de surpreender que achem poucos que estejam realmente dispostos a seguirem os ensinamentos de Jesus. Ainda que alguns façam um aparente esforço para encontra-lo não resiste a evidente razão que os motivam quando confrontado por aquele que tudo sabe: Quando a multidão percebeu que nem Jesus nem os discípulos estavam ali, entrou nos barcos e foi para Cafarnaum em busca de Jesus. Quando o encontraram do outro lado do mar, perguntaram-lhe: "Mestre, quando chegaste aqui?” Jesus respondeu: "A verdade é que vocês estão me procurando, não porque viram os sinais miraculosos, mas porque comeram os pães e ficaram satisfeitos. Jo 6:24-26.

Nesta observação de Jesus encontramos um detalhe que mostra o quanto o homem é mesquinho egoísta e extremamente limitado e que até hoje impede a maioria a compreenderem que o que Deus tem para nos dá através de Jesus Cristo excede a tudo que possam imaginar. Pois, é fácil de perceber, que mesmo que Jesus voltasse para realizar novos sinais miraculosos e maravilhas certamente seria mais uma vez assassinado. Porque ainda buscam as mesmas satisfações primitivas de comer e satisfazerem.

O ser humano passou a ser extremamente ingrato desde que o pecado entrou no mundo e vemos isto claramente nos dias atuais, pois independentemente do que se faça por ele, sempre acha que não é o suficiente. Até dizem que querem saber como mudar! Mas fica evidente que não querem se submeter, sem que antes possam adaptar ao seu desejo. - Não trabalhem pela comida que se estraga, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem lhes dará. Deus, o Pai, nele colocou o seu selo de aprovação.
Então lhe perguntaram: "O que precisamos fazer para realizar as obras que Deus requer? "
Jesus respondeu: "A obra de Deus é esta: crer naquele que ele enviou".
Então lhe perguntaram: "Que sinal miraculoso mostrará para que o vejamos e creiamos em ti? Que farás? Jo 6:27-30.

Mesmo estando registrando nos anais da história da humanidade como tendo sido o único homem que dividiu a história em duas e sabendo que Jesus Cristo morreu para que todos tivessem a oportunidade de arrepender-se e voltar-se para Deus, mesmo assim não iriam crer e o rejeitariam como sempre fazem. Os nossos antepassados comeram o maná no deserto; como está escrito: ‘Ele lhes deu a comer pão do céu’.
Declarou-lhes Jesus: "Digo-lhes a verdade: Não foi Moisés quem lhes deu pão do céu, mas é meu Pai quem lhes dá o verdadeiro pão do céu. Pois o pão de Deus é aquele que desceu do céu e dá vida ao mundo".
Disseram eles: "Senhor, dá-nos sempre desse pão! "
Então Jesus declarou: "Eu sou o pão da vida. Aquele que vem a mim nunca terá fome; aquele que crê em mim nunca terá sede. Mas, como eu lhes disse vocês me viram, mas ainda não creem. Jo 6:31-36.

Talvez você possa estar pensando! Então não tem mais jeito para mim! Eu até hoje me recusei acreditar em Jesus Cristo e agora que gostaria de crer não sei se Ele me aceitará? A boa noticia é que Jesus nunca desistiu de você! Não importa quem você é! O que você fez! Jesus conhece tudo de você. Basta que se arrependa e o aceite. Ele apaga o seu passado não desiste de você e não irá nunca te questionar. –Todo o que o Pai me der virá a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei. Pois desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas para fazer a vontade daquele que me enviou. E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum dos que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. Jo 6:37-39.

Só Jesus Cristo compreende o nosso caminhar pelos caminhos tortuosos do mundo e não desiste de nos alcançar com o amor que nunca você viu ou verá igual.

Queiram experimentar deste amor e comer do Pão da vida eterna:

Porque a vontade de meu Pai é que todo o que olhar para o Filho e nele crer tenha a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.
Com isso os judeus começaram a criticar Jesus, porque dissera: "Eu sou o pão que desceu do céu".
E diziam: "Este não é Jesus, o filho de José? Não conhecemos seu pai e sua mãe? Como ele pode dizer: ‘Desci do céu’? "
Respondeu Jesus: "Parem de fazer-me críticas.
Ninguém pode vir a mim, se o Pai, que me enviou não o atrair; e eu o ressuscitarei no último dia.
Está escrito nos Profetas: ‘Todos serão ensinados por Deus’. Todos os que ouvem o Pai e dele aprendem vêm a mim.
Ninguém viu o Pai, a não ser aquele que vem de Deus; somente ele viu ao Pai.
Asseguro-lhes que aquele que crê tem a vida eterna.
Eu sou o pão da vida. Jo 6:40-48.

Jesus Cristo te Ama. Só Ele cura, liberta e salva. Venham para Cristo enquanto ainda tem fome, pois Ele o saciará:

Os seus antepassados comeram o maná no deserto, mas morreram.
Todavia, aqui está o pão que desce do céu, para que não morra quem dele comer.
Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Se alguém comer deste pão, viverá para sempre. Este pão é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo. Jo 6:49,50.

Amém.

image

domingo, 13 de maio de 2012

É necessário que ele cresça e que eu diminua. Jo 3:30.

image

"Quem ama o dinheiro jamais dele se farta; e quem ama a abundância nunca se farta da renda; também isto é vaidade." Ec 5:10

Fomos criados com um vazio existencial dentro de nós que as pessoas tentam preencher com os prazeres deste mundo, mas nunca se satisfazem, estão sempre querendo mais. A pessoa que ama o dinheiro se torna um escravo dele, nunca esta feliz com o que tem, e não aproveita o bom da vida porque está sempre querendo mais. Não sabem que não adianta procurar nas coisas deste mundo, porque o vazio dentro de si, só pode ser preenchido pelo amor verdadeiro que vem de Cristo Jesus! Lembram-se da Samaritana que pede água para beber, e Jesus fala que bebendo aquela agua ela voltaria a ter sede, mas se bebesse da agua viva que Ele daria, jamais voltaria a ter sede. Assim são as coisas deste mundo, mas quem conhece a Jesus têm uma vida plena e abundante cheia de fartura e prosperidade.

Esta passagem abaixo do Evangelho de João é muito utilizada para justificar a chamada prosperidade do cristão: O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. Jo 10.10

O termo abundância é entendido apenas pelo aspecto de ter muito. Porém vendo está mesma passagem na linguagem atual fica mais fácil entender que nível de abundancia Jesus esta ensinando: O ladrão vem apenas para furtar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente. Jo  10:10.

Ora é o mesmo versículo em versão de traduções diferentes, porém ambas se lidas pelo sentido espiritual para qual foram escritas tem o mesmo proposito e não significados diferentes como pode parecer. Afinal até no dicionário Abundancia e Plenamente tem significados ou aplicação semelhante o que faz como que seja compreendida a intenção do autor, portanto é o coração de que lê. s.f. Abundância = Grande quantidade: provisões em abundância. / Riqueza, fartura: viver na abundância. Plenamente = adv. Inteiramente, completamente. / amp;151; S.m. Grau de aprovação.

Por essas falhas que não tem nada haver com a questão de interpretação da palavra; mais da sua aplicabilidade de acordo com o desejo do leitor. Não há diversas explicações ou entendimentos particular. Infelizmente, vemos no uso pessoal e interesseiro onde reside o  grande erro que faz com que muitos dos que se recusam a crer na Bíblia use como argumento contrario ao entendimento da palavra de Deus. "Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação." 2 Pe 1:20. 

Contudo,  todo o crente que tenha o habito de ler as escrituras crendo que o Espirito Santo de Deus é o autor dos seus escritos: "Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo." 2 Pe 1:21. Não deveria ter dificuldade de entender o que nos difere do leitor que abre um livro para encontrar nele uma história ou relato de algo que lhe traga entendimento racional ou até uma mera diversão; isto se dá pelo  fato de que a Bíblia é verdadeiramente Deus falando com a sua criação sendo portanto mais que uma leitura de palavras, para se tornar um dialogo vivo entre Deus e o Homem. "Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça;" 2 Tm 3:16.

Jesus por diversas vezes nos deu está dica. "Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus." Mt 4:4. Assim como esse versículo mais 95 outros menciona o termo: Está escrito. Em todos eles veremos Jesus nos ensinando através dos ensinamentos por ele proferido e registrado para nós o motivo que torna as Escrituras uma leitura singular e totalmente espiritual. "Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parece loucura; e não pode entende-las, porque elas se discernem espiritualmente." 2 Co 2:14.

Fazendo uma comparação bastante simples; é como eu que nunca aprendi o Mandarim querer ler um livro escrito nesta língua sem ajuda de um tradutor, não entenderia nada por mais capacitado que eu seja na minha própria língua. Para nós que aceitamos a Jesus e recebemos o batismo do Espirito Santo a leitura se torna realmente uma revelação pessoal e não uma interpretação, justamente por que não deixamos que a nossa suposta capacidade intelectual ou raciocínio logico das muitas teorias se intrometa numa leitura que é ao mesmo tempo uma conversa entre Pai e Filhos: "Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido." 1 Co 2:15.

Quando então o leitor da Bíblia passa a ter intimidade com o autor e consumador de todas as coisas nada o fará ser capaz de dividir atenção do seu amor para outro que não Jesus.  "E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me." Lc 9 : 23.; "Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará a um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro". Mt 6:24.

Não há como descrever os cuidados de um Deus que: Desde os tempos antigos ninguém ouviu, nenhum ouvido percebeu, e olho nenhum viu outro Deus, além de ti, que trabalha para aqueles que nele esperam. Is 64:4.

Isto é que é a verdadeira abundância em toda sua plenitude.

"Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido." Js 1:8.

Quer ter sucesso? Negue o pecado, a ambição, o amor ao dinheiro e as coisas passageiras deste mundo pegue tudo isso e pregue na Cruz e siga Jesus.

Amém.

image

Deus está no controle!

Ainda que eu não te ouça, pois o mundo faz de tudo para te calar! (Trecho da Canção Mar de Vidro de Rodolfo Abrantes) Apesar das inúmeras v...